Celtic, o trevo de quatro folhas merecia sorte melhor


Segundo crença popular, o trevo de quatro folhas é objeto de sorte. Se compararmos ao futebol, é possível elencar as quatro folhas do trevo como características base de um time. Hoje, o Celtic será o time envolvido neste processo. 

Em relação ao trevo, méritos a Elói Saldanha Junior por sua sacada em relação ao Celtic.

A península ibérica possui mitologia conhecida mundial, os duendes. Duendes são pequeninos seres de orelhas pontudas e sorriso esquisito, que cuidam das plantas, árvores e sempre ajudam as sementinhas a brotar. Também gostam muito de brincar e, às vezes, pregam peças nas pessoas, fazendo as janelas estalarem e tirando coisas do lugar. 
Em comparação ao futebol, os duendes são notórios por peças aplicadas em grandes clubes. 
Os duendes escoceses foram bravos, enfrentaram os gigantes da Catalunha com astucia e, por um triz, não conseguiram o sonhado tesouro no final do arco-íris.

Citei anteriormente o trevo de quatro folhas do Celtic. Pois bem, vamos a primeira folha.
- Marcação: Postado em duas linhas de quatro, o Celtic negou espaços ao Barcelona e, consequentemente, ao seu melhor jogador, Lionel Messi. 
A marcação a zona, ou seja, em relação à bola e não ao jogador, impedia brechas entre linhas e perseguições desnecessárias. O posicionamento das linhas não era fixo, progrediam ou recuavam em relação à bola. 
Por jogar em duas linhas, o Celtic freou o 4-3-3, “lateralizado”, catalão ao ter marcação dupla por zona: extremo (ponta, winger, meia-ala...) e lateral pelo flanco, somado ao volante por dentro os vigiando e zagueiro na sobra. Um verdadeiro ferrolho defensivo.
Os escoceses estavam com fome de bola, insaciáveis por desarmes. 

- Compactação: Intrinsecamente ligado à marcação. Qualquer time que ambiciona ter sucesso em seu sistema defensivo, precisa vincular as características de marcação e compactação. 
As duas linhas de quatro, em fase defensiva, nunca estiveram distantes. Explicação? O time do Barcelona trama jogadas entre as costas dos meio-campistas e frente aos zagueiros. Pequena zona do campo, mas com gênio para ocupa-la. Messi, geralmente, atua entre as linhas do adversário, e gera intempérie nesta faixa do campo. 

Flagrante tático. Celtic posicionado defensivamente no 4-4-1-1. Linhas amarelas retratam a compactação entre linhas. Reparem que Messi esta entre elas, porém, em "ambiente" controlável.

- Força e imposição: Particularidade atrelada ao sistema defensivo e presente no sistema ofensivo. Em relação ao Celtic, pende a questões defensivas. 
Características notáveis do futebol europeu. O Celtic parecia mais um time de Rugby do que de futebol. Cinco jogadores rompiam a barreira de um metro e noventa centímetros, em comparação ao Barcelona, nenhum jogador possuía tamanha pujança. A titulo de curiosidade, a media de altura fica na casa de um metro e oitenta e seis centímetros.
O que isto influencia em termos de futebol? Times fortes e bem condicionados fisicamente, obviamente, não cansam. Sem contar que, imposição de um marcador de um metro e noventa gera dificuldade ao adversário driblar. Em questões ofensivas, jogadas de pivô e referencia na área se tornam notáveis por força e imposição.

- Bola aérea: Por ter vantagem nos quesitos força, imposição e estatura, logicamente o Celtic priorizava seus ataques com bolas alçadas na área. Porém, faltou regar essa folha do trevo, quem sabe explora-la de maneira continua e eficiente.
Defensivamente o Celtic suportou até o ultimo minuto a pressão barceloniana. Por vezes, os catalães apelavam para bola aérea, porém, sem sucesso, pois o Celtic predominava pelos ares.
Por ironia do destino, o gol da virada, para selar vitoria catalã, aconteceu em levantamento para área, ninguém “cortou” e Alba empurrou para as redes.

Postado em legitimo 4-4-1-1 inglês,  o Celtic ocupou espaços de maneira inteligentíssima  tratando de questões defensivas. Posso ser categórico, a equipe defendeu, na maioria dos casos, com nove jogadores atrás da linha da bola e realizando compactação de dar inveja. 

Flagrante tático. Celtic postado no 4-4-1-1 em fase defensiva.

Defensivamente o Celtic merece ser ovacionado. O clube escocês entra no restrito hall de times que frearam o ímpeto do clube catalão. Denotar o sucesso escocês em detrimento de uma tarde pouco inspirada do Barcelona é fechar os olhos para méritos do Celtic. O Barcelona não jogou seu futebol vistoso em função de Celtic. 

O trevo de quatro folhas, defensivo, foi intensamente regado durante a partida. Em contrapartida, o trevo ofensivo foi desprezado, ignorado, abandonado em virtude de estratégia voltada a questões defensivas e restritas a isto. 
Celtic não encontrou brechas para atacar. Única chance foi de bola parada e bem sucedida. Time não demonstrou padrões ofensivos, não houveram jogadas tramadas, ou, que dessem indicio para tal. Contra-ataque? Devaneio tão gracioso quanto a ilusão de tesouro no fim do arco-íris. Há de se ressaltar, Barcelona realizou bloqueio defensivo notável perante “ataque” escocês.

Se pudéssemos delegar um fato em relação a estatísticas, este seria de posse de bola. A escola catalã imprime seu futebol com bola no pé. Portanto, ver seu adversário dominar e trocar incessantes passes era esperado. Porém, abdicar de atacar não deveria ser alternativa. O Celtic sequer especulou opções para sair das armadilhas catalãs. 
O Celtic demonstrou-se uma equipe de contrastes. Méritos a seu sistema defensivo e vaias contundentes a suas tramas de ataque. Uma verdadeira inércia ofensiva.

Amarrado. Definição para o estilo de jogo escocês. Defendia atrás da linha da bola, com vantagem sobre ações ofensivas do time catalão, recuperava posse de bola, porém logo se desfazia da mesma. Um verdadeiro bate-volta, incansável.

Faço-me das palavras do Coringa para definir o Celtic: “Não tenho planos. Eu sou como o cachorro correndo atrás do carro. Não saberia o que fazer se o alcançasse"

This entry was posted in . Bookmark the permalink.

2 Responses to Celtic, o trevo de quatro folhas merecia sorte melhor

  1. Parabéns, Edu!

    Texto excelente!

    Rolou até "lances" da mitologia e história do país.

    Celtic no 4-4-1-1 obrigou o Barça a abrir os laterais como pontas.

    Adriano e Alba tiveram de atuar como verdadeiros pontas. A lentidão na troca de passes era visível. Principalmente com o Pedro centralizando. O time abriu muito as pontas mas, não tinha a troca envolvente pelo meio. O que facilitou, E MUITO, a marcação do Brown.

    N é só o messi quem deve cair pela área. O Xavi fez isso no lance do primeiro gol como elemento surpresa e puxou a marcação.

    No segundo tempo o Alexis (NULO) jogou de centroavante. Mas n dava opções. A marcação ficou muito alta e o Celtic, n venceu por n ter nenhum puxador de contra-ataque.

    Vilanova abriu ainda mais as pontas com Adriano e Alba. Deixou Xavi como organizador e o Messi flutuando por onde quisesse. No entanto, Iniesta ficou preso pela esquerda com as intermináveis subidas do Alba. A jogada era pelo meio. Tanto que o mesmo Iniesta deu aquele passe de gênio para o Messi.

    Sem a troca de bola com rapidez o time ficou previsível. O erro do Vilanova, na minha humilde opinião foi esse: insitência pelas pontas.

    No fim deu certo. Adriano (que atuou bem) fez aquele cruzamento com a bola caindo e sem chances para o goleiro fazer a intervenção.

    Eu esperava o Cesc entrando no lugar do alexis. Porém, o Vilanova preferiu abrir ainda mais o jogo com o Tello. Destaque para o Bartra.

  2. Olá gostaria de dizer que tenho um canteiro de trevos de quatro folhas o ORIGINAL , todo verde e sem a mancha roxa, vendo cada folha (desidratada e em plástificada) por R$5,00 e envio por carta simples para todo o Brasil (R$1,00) custo do envio.
    Meu site é: http://sortegoodluck.blogspot.com.br/
    Meu e-mail: sortegoodluck@hotmail.com
    Obrigado e Boa Sorte!!!

Leave a Reply

Compartilhar